O que a Bíblia diz sobre as evidências da existência de Deus?

biblia com luz

Versos Bíblicos:
Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.
Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite.
Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz.
A sua linha se estende por toda a terra, e as suas palavras até ao fim do mundo. Neles pôs uma tenda para o sol, Salmos 19:1-4

Eu acho interessante o fato de se dar tanta atenção a este debate. As últimas pesquisas nos informam de que mais de 90% das pessoas no mundo de hoje acreditam na existência de Deus ou de algum poder superior. Mesmo assim, de alguma forma, a responsabilidade de provar que Deus realmente existe é posta sobre aqueles que acreditam que Deus existe. Para mim, deveria ser o contrário.
No entanto, não se pode provar ou deixar de provar a existência de Deus. A Bíblia até mesmo diz que nós devemos aceitar por fé o fato de que Deus existe: “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hebreus 11:6). Se Deus assim o desejasse, Ele poderia simplesmente aparecer e provar para o mundo inteiro que Ele existe. Mas se Ele fizesse isso, não haveria mais necessidade de existir fé. “Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram” (João 20:29).
Isso não significa, no entanto, que não existam evidências da existência de Deus. A Bíblia declara: “Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem, nem há palavras, e deles não se ouve nenhum som; no entanto, por toda a terra se faz ouvir a sua voz, e as suas palavras, até aos confins do mundo” (Salmos 19:1-4). Olhando para as estrelas, compreendendo a vastidão do universo, observando as maravilhas da natureza, vendo a beleza de um pôr-do-sol – todas estas coisas apontam para um Deus Criador. Se estas coisas não fossem suficientes, também há evidência de Deus em nossos próprios corações. Eclesiastes 3:11 nos diz: “…[Ele] pôs a eternidade no coração do homem…”. Há alguma coisa no fundo do nosso ser que reconhece que há algo além desta vida e alguém além deste mundo. Nós podemos negar este conhecimento intelectualmente, mas a presença de Deus em nós e através de nós ainda estará lá. Apesar disso tudo, a Bíblia nos adverte que alguns, mesmo assim, irão negar a existência de Deus: “Diz o insensato no seu coração: Não há Deus.” (Salmos 14:1). Visto que 98% das pessoas através da história, em todas as culturas, em todas as civilizações, em todos os continentes acreditam na existência de algum tipo de Deus – deve haver algo (ou alguém) causando esta crença.
Além dos argumentos Bíblicos para a existência de Deus, existem argumentos lógicos. Em primeiro lugar, existe o argumento ontológico. A forma mais popular do argumento ontológico basicamente usa o conceito de Deus para provar a existência de Deus. Ele começa com a definição de Deus como “do que este não pode ser concebido alguém maior”. Argumenta-se então que existir é maior do que não existir, logo o maior ser que pode ser concebido tem que existir. Se Deus não existisse então Deus não seria o maior ser que pode ser concebido – mas isso iria contradizer a própria definição de Deus. Em segundo lugar está o argumento teleológico. O argumento teleológico é aquele que diz que como o universo apresenta um projeto tão incrível, deve ter havido um projetista Divino. Por exemplo, se a terra estivesse apenas algumas centenas de quilômetros mais afastada ou mais próxima do sol, ela não seria capaz de sustentar grande parte da vida que sustenta no momento. Se os elementos na nossa atmosfera tivessem apenas alguns pontos percentuais de diferença, tudo o que vive na terra morreria. A chance de uma única molécula de proteína se formar ao acaso é de 1 em 10243 (isto é, 10 seguido de 243 zeros). Uma única célula possui milhões de moléculas de proteínas.
Um terceiro argumento lógico para a existência de Deus é chamado de argumento cosmológico. Todo efeito deve ter uma causa. Este universo e tudo o que há nele é um efeito. Tem que existir algo que causou a existência de tudo. Finalmente, deve existir alguma coisa “não-causada” que fez com que tudo viesse à existência. Este “não-causado” é Deus. Um quarto argumento é conhecido como o argumento moral. Todas as culturas através da história têm alguma forma de lei. Todo mundo tem um senso de certo e errado. Assassinar, mentir, roubar e agir de forma imoral são coisas quase universalmente rejeitadas. De onde veio este senso de certo e errado se não de um Deus santo?
Apesar de todas estas coisas, a Bíblia nos diz que as pessoas irão rejeitar o conhecimento claro e inegável de Deus e irão acreditar em uma mentira. Romanos 1:25 declara: “…eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém”. A Bíblia também proclama que as pessoas não têm desculpa para não acreditar em Deus: “Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das cousas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis” (Romanos 1:20).
As pessoas afirmam não acreditar em Deus porque “não é científico” ou “porque não há prova”. A verdadeira razão é que, uma vez que as pessoas admitam que há um Deus, elas também precisarão se dar conta de que devem ter responsabilidade para com Deus e que precisam do Seu perdão (Romanos 3:23; Romanos 6:23). Se Deus existe, então nós devemos prestar contas das nossas ações a Ele. Se Deus não existe, então nós podemos fazer o que quisermos sem termos de nos preocupar com o Seu julgamento sobre nós. Eu acredito que esta é a razão pela qual a evolução é tão fortemente aceita por muitos na nossa sociedade – para que as pessoas tenham uma alternativa a acreditar em um Deus Criador. Deus existe e todo mundo sabe que Ele existe. O fato de que alguns tentam tão agressivamente provar que Ele não existe é de fato um argumento para a Sua existência.
Permita-me expor um último argumento para a existência de Deus. Como eu sei que Deus existe? Eu sei que Deus existe porque eu falo com Ele todos os dias. Eu não O ouço falar comigo “de uma forma audível”, mas sinto a Sua presença, sinto a Sua liderança, conheço o Seu amor, desejo a Sua graça. As coisas aconteceram na minha vida de forma que não há outra explicação senão Deus. Deus me salvou e mudou a minha vida de forma tão milagrosa que eu só posso aceitar e louvar a Sua existência. Nenhum destes argumentos pode persuadir alguém que se recusa a aceitar o que é tão claro. No fim das contas, a existência de Deus deve ser aceita pela fé (Hebreus 11:6). A fé em Deus não é um salto cego no escuro, mas um passo seguro em um quarto bem iluminado onde 90% das pessoas já estão presentes.

MUITO FORTE ESTA VISÃO.

Com certeza Jesus não era cristão!

O grande ativista social, filósofo e pensador indiano Gandhi disse uma frase que para nós é no mínimo instigante: "No dia em que me mostrarem um cristão parecido com Jesus, eu me converto ao cristianismo".

Neste texto vou exemplificar em apenas três aspectos que demonstram claramente que o Jesus que dizemos ser o pai do cristianismo, se encontra a quilômetros de distancia de nossos ideais de fé contemporâneos. O mais interessante é que se formos fazer uma analise com base nos relatos sobre Jesus descritos nos evangelhos, estes que são como um testemunho de sua pessoa e feitos, encontramos um Jesus bem diferente do ideal que todos nós estamos acostumados a ver todos os dias nos lábios afoitos de tantos Cristãos, católicos como também evangélicos.

Nos evangelhos encontramos um Jesus que passou grande parte de sua vida trabalhando e ajudando seu pai José, em suma: Um Jesus que trabalhou. Hoje maioria dos cristãos quando assume qualquer tipo de função eclesiástica logo como forma de não precisar mais buscar sustento e passa a viver das ofertas e dízimos de suas igrejas e instituições. Logo então se cria uma série de cargos e hierarquias que compões esta estrutura religiosa, que funciona como um organismo onde os indivíduos que dependem desta organização para sobreviver. Logo os mais poderosos passam a burocratizar poder, pois poder significa dinheiro e sobrevivência, em suma; ter poder na instituição significa ter controle nas decisões, e este controle tem como base um sistema de benesses.

Nisso podemos ver uma série de "pastorzinhos" e padres, cumprindo protocolos como parasitas institucionais, tudo por medo de perder o único meio de sobrevivência que lhes é possível. Nem vou devagar muito sobre os porquês as instituições religiosas normalmente não incentivam as profissões e estudo em suas congregações e templos. Já diziam os Cezares em Roma, “ofereçam diversão e entretenimento ao povo, pois estes assim entretidos não pensam e aceitam nossas decisões.” A ignorância também é uma forma de manter o controle e o poder.

Nos evangelhos também encontramos um Jesus que tinha envolvimento direto com ladrões, enfermos, vagabundos e prostitutas. Em suma: Jesus só andava com a “nata podre” da sociedade. Indivíduos estes que nem preciso dizer que estão a quilômetros de nossas igrejas e templos. Pessoas as quais não teriam um assento e nem a palavra em quaisquer organizações religiosas reconhecidas e ditas “cristãs” na atualidade. Fiz um pequeno paralelo falando da sociedade nos tempos de Cristo, mas se formos contemporizar para nossa realidade posso pensar o seguinte; Será que hoje seria possível ter em nossos assentos “amadeirados” ou “almofados” de nossas comunidades, assentados e aceitos de forma natural travestis ou prostitutas? Será que em nossas igrejas perfeitas, haveria hoje espaço para os homossexuais? Ou talvez para os usuários de drogas e portadores de doenças de ordem sexual? Será que eu seria capaz de aceitar a convivência com alguma destas pessoas sem querer sufocá-la com meus conceitos religiosos? Aceitaria eu conviver com estas pessoas apenas na esperança de que em minha vida haja suficiente diferencial, para que estas tenham a oportunidade de estando em minha convivência, sentir-se amadas indiferente as discordâncias de meus conceitos religiosos? Será que somos capazes de aceita-las sendo humilde o suficiente para crermos que é possível Deus estar e falar com as mesmas? Seria eu capaz de não ver somente suas falhas e defeitos, mas encontrar o ser - humano por traz dos meus preconceitos? Este era O Jesus dos evangelhos, o que conversava com samaritanos e prostitutas, e mais! Dava aos mesmos a voz em suas suplicas e duvidas. Já ouvi argumentos hipócritas de que Deus não comunga com pecadores, no momento que ouvi pensei: Será que somos perfeitos? Não temos nós também pecado?

E por fim vemos um Jesus mendigo, um Jesus sem casa e nem um lugar para encostar a sua cabeça e descansar. O filosofo das ruas, o amigo do sujinho e mau vestido. O que partia o pouco pão com os famintos e esfomeados. Aquele que não tinha sobre o corpo o cheiro dos lírios, mas carregava sobre si o perfume de gente. Não possuía roupagem nova, antes andava todos os dias com a mesma túnica. Um exemplo de miséria do seu tempo, sempre comendo na casa alheia ou partindo pão em praças. O Jesus da “não-prosperidade”, aquele que com seu exemplo transcendeu as conquistas e riquezas deste mundo, revelando aos homens uma existência que transpôs todos os conceitos e valores até então vistos. Um Jesus muito diferente do discurso televisivo carregado de bênçãos, proferido pelos tele-evangelistas. Um Jesus que descobriu muito maior riqueza na convivência e amizade de seus companheiros. Um Jesus que via gente, cheirava a gente e amava gente.

Entendemos um Jesus que nos foi dado como herança via Europa-américa, um Jesus centrifugado, processado, um Jesus ocidentalizado, um Jesus capitalista, o Jesus que mede pessoas por suas posses, o Jesus das elites.

Em uma conferência de história a qual participei, me chamou a atenção uma frase dita por um especialista em oriente, e ela resumiu todos os argumentos em apenas um dizer:

O maior líder da maior religião Ocidental era um oriental, Jesus. Os cristãos que se dizem seguidor deste Jesus, o idealizaram um ocidental, e não conseguem entender que ele era o Jesus Oriental.

A grande verdade que posso dizer é que nós cristãos nem temos definida uma identidade, muito menos conhecemos o tão falado Jesus. Criamos um ideal distorcido, criamos nossas religiões e encaixamos Jesus em nossas deformações, e a tudo isso nomeamos de Cristianismo. Por estes exemplos e conceitos posso afirmar tranquilamente em poucas palavras, Jesus não era um Cristão.
Quem Dera Ter um "Peixe" !

Conta-se que em um determinado culto um pastor de uma certa comunidade, ao exortar a igreja para a contribuição de dízimos e ofertas, fez um dos papéis mais ridículos que possa existir. Ao relacionar o dinheiro como um investimento pelo qual o sujeito recebe uma recompensa de Deus de acordo com o valor monetário “investido”, o tal pastor partiu para o ataque e disse: “- Queridos, antes de receber o que vocês tem para oferecer pra Deus, queria que algumas pessoas me trouxessem todos os tipos de notas em Real aqui na frente para lhes dar uma demonstração de como ser verdadeiramente abençoado nas finanças”. Então ele começou a sua exposição a fim de levantar uma oferta bem obesa:

“Gente,

Vejam que a Nota de 2 Reais é representada por uma tartaruga – sabe o que isso significa? Ela só serve para uma oferta medíocre! Você quer uma benção que vem a passos de tartaruga? Uma benção que vem lentamente, quase parando…?(risos)!

A Nota de 5 Reais é representada por uma garça – Sabe aonde as garças vivem? Elas adoram o mangue! Irmão, é na lama que você quer viver?!

Já a Nota de 10 Reais, ela possui uma arara – gente, arara vive voando! Crente não voa baixo como arara, mas alto como Águia! Essa nota não serve pra Deus!

A Nota de 20 Reais tem um mico – Você vai pagar um “mico” ofertando só isso?

Já a Nota de 50 Reais tem uma onça – Irmãos, a onça até que é interessante, mas ela está em extinção! Portanto a tua benção não está em extinção, creia!! Olha, fique sabendo…nem “onça” serve pra Deus!

Já a Nota de 100 Reais, queridos irmãos, tem um peixe – Sabe o que o peixe simboliza? O cristianismo! Se você quer ser abençoado, não ofereça tartaruga, garça, arara, mico ou onça, mas dê ao Senhor o que ele merece: Peixe!”

Boa parte igreja da igreja, após essa anátema alegoria, bradou com súbitos aleluias!!

***
No último dia 04 (fev), 2012, tive o prazer de reencontrar um amigo (o mano Sílvio) que após muitos anos morando em Brasília está de volta a Paraíba. Na conversa, ele me repassou essa historinha, a qual reeditei a partir de uma experiência real vivida por ele em uma igreja neopentecostal da capital do Distrito Federal.

Antognoni Misael é editor do Arte de Chocar e colaborador no Púlpito Cristão

Descoberta bíblia com 1500 anos na Turquia

Tem 1500 anos e é uma das mais antigas bíblias do mundo. A descoberta foi feita na Turquia depois de a polícia ter desmantelado uma rede de venda ilegal de antiguidades em 2000.

Desde então a bíblia, escrita em folhas de couro e que de acordo com os peritos é inteiramente original, foi mantida durante vários anos num cofre-forte de Ancara até ter sido entregue ao Museu Etnográfico de Ancara. A instituição deverá agora restaurá-la para em seguida ser exposta ao público.

O documento, que está avaliado em perto de 20 milhões de euros, é inteiramente escrito em siríaco um dialeto do aramaico, língua que terá sido falada por Jesus Cristo.

Gesto de fé do jogador Tim Tebow vira mania mundial


Astro da NFL, liga profissional de futebol americano, o quarterback Tim Tebow está sendo considerado um grande fenômeno cultural dos últimos meses. Seu gesto de ajoelhar-se com se estivesse orando após cada jogo virou mania em todo o mundo e tem sido repetido em diferentes ocasiões.

Apesar de seu time, Denver Broncos, não ter disputado o Superbowl, um dos campeonatos mais importantes dos Estados Unidos, Tebow foi a grande sensação da temporada.

O "tebowing", como passou a ser chamado seu gesto, tem influenciado cristãos e até não-cristãos.

Esta não é a primeira vez que o atleta demonstra sua fé em campo. Há pouco tempo ele pintava a referência bíblica 3:16 em seu rosto antes dos jogos, remetendo ao versículo de João.

Além disso, Tebow fala frequentemente de Deus e Jesus Cristo em suas entrevistas. Ele já declarou repetidas vezes que é virgem e que “escapou” de inúmeras investidas de mulheres interessadas em oferecer a ele uma experiência sexual.

As últimas celebridades que foram noticiadas com interesse no jogador foram Kim Kardashian, que teria demonstrado interesse até em frequentar estudos bíblicos, e os pais de Katy Perry, que declararam que ele seria o marido perfeito para a filha.

As atenções vieram até do meio político. O deputado democrata do estado do Colorado, Sal Pearce, chegou a enviar uma carta aberta o convidando para realizar a oração matinal pelos parlamentares evangélicos antes do início dos trabalhos.

Um dos raros momentos que Tebow desagradou o público foi no Super Bowl do ano passado, quando estrelou um comercial antiaborto que foi ao ar no intervalo dos jogos, atraindo a fúria dos grupos feministas.

O atleta justificou a iniciativa declarando que só nasceu por que sua mãe, uma missionária cristã, se recusou a fazer o aborto que os médicos na época recomendaram por ela ter contraído uma doença durante a gravidez.

Este ano, apesar de atuar por um time que não possui muita expressão, o bom desempenho do atleta atraiu a atenção como um bom exemplo de esportista vencedor.

Como Tebow costuma dizer em suas declarações públicas, “ganhando ou perdendo, o importante é dar glória a Deus”.


Fonte: The Christian Post




Olha só, veja se isso não te faz pensar...
Jacó enganou;
Pedro tinha um temperamento esquentado;
Davi matou e adulterou;
Noé bebia;
Jonas se escondeu de Deus;
Paulo matava inocentes cristãos;
Gideão era um revoltado;
Miriã falava pelas costas;
Marta era muito preocupada;
Maria Madalena era uma prostituta;
Tomé duvidava;
Sara era impaciente e não sabia esperar;
Moisés era gago;
Esaú era cabeludo;
Zaqueu era ladrão e baixinho;
Abraão era velho, e Lázaro... era morto!
Veja que interessante!
De início, parece que toda a negatividade está aí, mas sabe o que isso mostra?
Deus não chamou os qualificados, Ele os qualificou!
Amigo, Deus quer te usar grandemente, independente de suas falhas e defeitos, apenas permita que Ele te qualifique.
Uma decisão!
Foi tudo que eles precisaram e é tudo que VOCÊ precisa.

Homem que matou mais de 20.000 pessoas se converte a Cristo




 seu nome é Joshua Milton Blahyi, já foi chamado de um dos homens mais temidos na guerra na Libéria. Ele confessou ter matado cerca de 20 000 pessoas durante 14 anos de guerra civil naquele país.

Agora Joshua Milton Blahyi afirma ser uma nova pessoa, é um cristão evangélico, diz que está arrependido de seus pecados e confessou Jesus como seu Salvador, por isso tem se dedicado a evangelizar sua nação e vem pedindo perdão às pessoas que causou danos.

Blahyi, foi selecionado pela revista The Economist e NewsHour PBS, para contar sua história em um documentário intitulado "A Redenção de Butt Geral Naked" (O Resgate de Bundas Geral Naked).

O filme é arrepiante pela impressão deixada como era a vida de Joshua Milton Blahyi e também como renunciou a seu passado violento, uma história que chamou milhares de pessoas porque era um senhor da guerra brutal na África.

Poderia realmente existir essa pessoa?

Cineastas Eric Strauss e Daniele Anastasion passaram cinco anos com Blahyi, seguindo de perto sua vida conturbada em que buscou o perdão de seus ex-soldados e suas inúmeras vítimas.

Strauss tornou-se interessado em Blahyi, depois de ler sobre ele em um livro chamado os lugares mais perigosos do mundo.

"Foi só uma pequena história sobre um famoso líder, que matou milhares e agora estava andando pelas ruas pregando a verdade e reconciliação", disse Strauss ao Los Angeles Times. "Eu me perguntava: Poderia essa pessoa realmente existir? Extreme Makeover seria possível? " diz Straus. Anastasion acrescenta: «E como é que você ouviria no mundo real?".

Oferecendo uma visão geral de suas perguntas através de seu documentário, os cineastas criaram o Redemption of General Butt-Naked, enfatizando a fé e perdão.

"Somente o cristianismo pode ajudar esta nação, porque o cristianismo é a única crença, só a fé que lhe diz para amar os vossos inimigos, para aceitar e perdoar aqueles que te machucam", disse Blahyi, num trecho do filme, de acordo com PBS.

"Tudo o que você vê aqui é um rebelde conhecido. O único que é capaz de desarmar é o amor, o amor que me desarmou. Só Deus pode mudar sua vida."

Antes de sua conversão, Blahyi, era um membro da tribo na Libéria Sarpo foi conselheiro espiritual do falecido presidente da Libéria, o sargento Samuel K. Doe.

Aos 11 anos, foi iniciado como um sacerdote tribal e participou de seu primeiro sacrifício humano, que realizou mensalmente até a idade de 25 anos. Mais tarde ele foi nomeado o sumo sacerdote da aldeia e conselheiro espiritual Krahn Doe, Blahyi disse que no passado, reuniu-se regularmente com Satanás.

Ele foi apelidado de "General Butt-Naked" (General Pelado), porque cada vez que entrava na batalha ia apenas com sapatos e uma arma, acreditando que sua nudez era invencível às balas.

O general afirma ter matado muitas crianças que ofereceu para Satanás, as quais antes da batalha tomou o sangue e comeu o coração. Não é de se admirar que por isso todos ao redor do país, ainda o temem, apesar de sua conversão.

Jesus apareceu para ele como Paulo

Em 1996, Blahyi, teve um encontro dramático com Jesus, durante uma das lutas mais brutais na história da guerra na Libéria, um encontro que muitos consideram semelhante à conversão do apóstolo Paulo na estrada de Damasco.

Jesus lhe apareceu como uma luz ofuscante e ele disse que iria morrer se não se arrependerem de seus pecados,informou o Daily Mail

Blahyi, aceitou a Cristo e pediu perdão pelos seus pecados, ele rapidamente deixou para trás seus soldados e foi para um campo de refugiados em Gana, onde começou seu processo de conversão. E agora defende a paz e não violência.

"Sinto muito. Perdão ", disse Blahyi, embora muitos creram no seu arrependimento e transformação, outros acreditam que ele está mentindo. Apesar das dúvidas, o ex-senhor da guerra continua a demonstrar a sua entrega a pregação do Evangelho a todos que encontra.

Atualmente é presidente e fundador do Ministério Evangelístico Trem do Fim dos Tempos em Gana, fundado em 1999 e é eficaz em áreas remotas da África, incluindo Togo, República do Benin, Nigéria, Chile, Guiné e Libéria sua terra natal.

O filme vai ao ar em 22 de janeiro de 2012 no Canal de Documentários. Numa entrevista que deu Blahyi em 2010, ao Daily Mail, disse: "Acredito firmemente que a Bíblia diz que Deus já me perdoou", explica ele. Blahyi, que está disposto a ser julgado e enforcado por crimes de guerra em Haia, se esse for o caminho para resolver a dor que causou a tantas pessoas.