MATANDO BEETHOVEN

Um professor na Faculdade de Medicina da Universidade de Califórnia um dia perguntou aos seus alunos. "Aqui é a história da família. O pai tem sífilis. A mãe tem tuberculose. Eles já tiveram quatro filhos. O primeiro filho é cego. O segundo filho morreu. O terceiro filho é surdo e o quarto filho tem tuberculose. A mãe está grávida. Os pais estão dispostos a ter um aborto se for recomendado. O que é que vocês recomendam?" A maioria dos alunos optaram pelo aborto. "Parabéns," anunciou o professor. "Você acabou de matar Beethoven." Nada é tão final quanto à morte, mesmo quando é feito cedo na vida.

Fonte:Terence Patterson em James S. Hewett, “Illustrations Unlimited” (Ilustrações Ilimitadas) (Wheaton: Tyndale House Publishers, Inc, 1988) p. 113 Related Posts with Thumbnails

O ANEL DO PROFESSOR.



- Professor, eu me sinto um inútil. Não tenho força alguma. Dizem-me que não sirvo para nada... que sou lerdo... um completo idiota. Ajude-me, por favor.

O professor, sem olhá-lo, disse-lhe: - Sinto muito, meu jovem. Você me pegou num dia ruim. Estou tentando resolver um sério problema. Volte outra hora, por favor.

Quando o jovem já ia saindo, o professor lhe propôs: - Bem, se você me ajudasse, eu poderia resolver o meu problema mais rápido, daí a gente poderia conversar...

- C... Claro, professor, gaguejou o jovem, bastante inseguro.

O professor tirou um anel que usava no dedo pequeno e disse ao garoto: - Monte meu cavalo e vá até o mercado vender este anel. Preciso pagar uma dívida, mas, por favor, não o venda por menos que uma moeda de ouro. Vá correndo e volte o mais rápido que puder.

Mal chegou ao mercado, o jovem começou a oferecê-lo a todos que encontrava. Eles olhavam com algum interesse, mas, quando o jovem dizia quanto pretendia pelo anel, eles riam, volviam-lhe as costas, ignoravam-no. Somente um velhinho, vendo o sofrimento do rapaz, foi simpático com ele, e lhe explicou que uma moeda de ouro era muito dinheiro por aquele anel.

Um outro, tentando ajudar, chegou a oferecer uma moeda de prata e uma xícara de cobre, mas o jovem, seguindo as orientações do seu professor, recusou a oferta.

Abatido pelo fracasso, montou novamente o cavalo e, muito triste, voltou para a casa do professor. Chegou mesmo a desejar ter uma moeda de ouro e comprar aquele anel, mesmo que não valesse tanto, somente para ajudar seu mestre.

Ao entrar na casa, relatou: - Professor, sinto muito, não consegui vender o anel. É impossível conseguir o que o senhor está pedindo por ele. Talvez eu possa conseguir 2 ou 3 moedas de prata, mas, não mais que isso. Não podemos enganar ninguém sobre o valor deste anel.

- Você tem razão, meu amigo. Antes de tentar vender o anel, deveríamos, primeiro, saber seu real valor. Não queremos enganar ninguém, nem ser enganado, não é mesmo? Por favor, faça-me mais uma coisa: Monte novamente o cavalo e vá até o joalheiro; quem melhor do que ele para saber o valor deste anel? Diga-lhe que eu quero vendê-lo e pergunte quanto ele pode ofertar, mas, atenção meu amigo, não importa o quanto ele ofereça, não venda o anel ao joalheiro. Apenas pergunte o valor do anel e o traga de volta.

Ainda tentando ajudar seu professor, o jovem foi até o joalheiro e lhe deu o anel para examinar. O joalheiro, então, lhe disse: - Diga ao professor que, se ele tem pressa em vender o anel, não posso lhe dar mais do que 8 moedas de ouro...

- 8????? Perguntou o jovem.

- Sim, replicou o joalheiro, posso chegar a lhe oferecer até 10 moedas, mas, só se ele não tiver pressa.

O jovem, emocionado, correu até a casa do professor e contou-lhe tudo. – 8 moedas de ouro, uau! – exclamou o professor, e rindo, zombou: - Aqueles homens no mercado deixaram de fazer um bom negócio, não é mesmo? – Sim, professor, concordou o menino, todo empolgado.

- Então, professor, perguntou o menino, o senhor vai vender o anel por 8 ou por 10 moedas? – Não vou vendê-lo, respondeu ele, fiz isso apenas para que você entenda uma coisa:

- Você, meu jovem, é como esse anel: uma jóia valiosa e única. Mas, somente pessoas sábias podem avaliar seu real valor. Ou você pensava que qualquer um poderia avaliá-lo corretamente? Não! Não importa o que digam de você, o que importa é o seu real valor.

E, dizendo isso, colocou seu anel de volta no dedo.

- Todos nós somos como esta jóia: únicos e valiosos. Infelizmente, passamos a vida andando por todos os mercados da vida, barateando nosso próprio valor, pretendendo que pessoas mal preparadas nos valorizem. Ninguém deveria ter a força de nos fazer sentir inferior, sem o nosso consentimento. Cada um de nós é especial, pois foi Deus que nos fez.



"Não se julguem melhores do que realmente são. Ao contrário, sejam modestos nos seus pensamentos, e cada um julgue a si mesmo conforme a fé que Deus lhe deu". Romanos 12.3

Bispo Macedo diz: "Eu tomo cachaça...e daí!"


CHEGA!!!
Obrigado pelo vídeo que vc mandou, serviu para abrir mais os meus olhos, eis a minha opinião:

O grande problema é a extrema dificuldade que nós temos de desassociar as coisas, vemos Deus e os sistemas religiosos como inseparáveis, talvez isso se dê por causa de um sentimento de gratidão que nutrimos por termos alcançado uma benção, mas quem deu essa benção? Deus ou a Universal? A Universal dá condições para Deus operar? Será que se não existisse a Universal Deus não faria nada por mim? Deus não criou mais um sistema, a igreja é a mesma desde os primórdios, ela é ÚNICA e está espalhada pelo mundo todo, são vidas, são pessoas que amam a Deus e podem ou não estarem ligadas a Universal ou qualquer outra denominação ou sistema como disse antes.


Esses sistemas são fundados por homens e tornam as pessoas dependentes e alienadas, viciadas em campanhas, propósitos e coisas do gênero, elas não conseguem andar com as próprias pernas, precisam de um mediador, que geralmente estimula a cobiça e depois mostra a “miséria” provocando revolta e assim a pessoa faz de tudo para reverter esse quadro de eterna insatisfação tudo em nome da cobiça e para satisfazer seu insaciável ego! Faz-me lembrar a música do Capital Inicial: "Eu quero sempre mais que ontem, eu quero sempre mais que hoje, eu quero sempre mais... do que eu posso ter".


Vou te dizer uma coisa... Estou livre desses FARIZEUS, estou livre de toda essa religiosidade, e de toda essa falsidade, e digo mais, Deus é superior a todas essas coisas, e a verdadeira igreja é viva e não está presa a um CNPJ, a verdadeira igreja são as pessoas sinceras que se preocupam com as outras, pessoas que falam de Jesus sem colocar um fardo pesado nas costas dos outros.


Sei que existem muitas pessoas sinceras que estão presas aos sistemas, da vontade de sair gritando e fazer com que elas entendam o quanto Deus é superior, mas não é assim que tem que ser, se tudo isso existe, é para que se cumpra a vontade de Deus. O joio será colhido junto com o trigo e só então será separado.


Nós, seres humanos, somos os únicos feitos a imagem e semelhança de Deus, ou seja, nós pensamos, raciocinamos e decidimos as coisas, então não vamos deixar que os outros pensem por nós, que decidam por nós, vamos questionar, vamos arrancar as escamas dos olhos e realmente ver o que muitas vezes fingimos que não vemos, quebre as algemas da religiosidade, não tenha medo, seja livre, “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”


Jesus dizia: “Quem tem ouvidos ouça”. Cabe a cada um, querer ouvir ou não, porque ouvidos a maioria tem.