Ciência Moderna na Bíblia


Deus fala com absoluta correção e precisão quando fala de ciência. Mas Ele não diz as coisas a partir da perspectiva dos cientistas e de um modo tal que tenhamos um entendimento mais fácil.

Vejamos o que Deus diz sobre vários aspectos científicos [há muitos outros a que a ciência já chegou, e não os citamos por brevidade; há muitos outros a que a ciência ainda não chegou, talvez um dia a vejamos descobrindo-os]

Ciclo Hidrológico Eclesiastes 1:7; Isaías 55:10
Evaporação Salmo 135:7; Jeremias 10:13
Núcleos de Condensação Provérbios 8:26
Condensação Jó 26:8; 37:11,16
Precipitação da Chuva Jó 36:26-28
Run-off Jó 28:10
Reservatório Oceânico Salmo 33:7
Neve Jó 38:22; Salmo 147:16
Equilíbrio Hidrológico Jó 28:24-26
Fontes no Mar Jó 38:16
Princípio da Isostasia Isaías 40:12; Salmo 104:5-9
Forma da Terra Isaías 40:22; Jó 26:10; Salmo 103:12
Gravidade Jó 26:7; 38:6
Erosão das Rochas Jó 14:18,19
Período Glacial Jó 38:29,30
Uniformitarianismo (prevalente, mas louco) 2Pedro 3:4
Dinossauros Jó 40,41
Tamanho do Universo Jó 11:7-9; 22:12; Isaías 55:9; Jeremias 31:37
Número de Estrelas Gênesis 22:17; Jeremias 33:22
Unicidade de Cada Estrela 1Coríntios 15:41
Precisão das Órbitas Jeremias 31:35,36
Circulação da Atmosfera Eclesiastes 1:6
Efeito Protetor da Atmosfera Isaías 40:22
Origem Oceânica das Chuvas Eclesiastes 1:7
Relação da Eletricidade com a Chuva Jó 28:26; Jeremias 10:13
Dinâmica dos Fluidos Jó 28:25
Circulação do Sangue Levítico 17:11
Psicoterapia Provérbios 16:24; 17:22
BioGênese e Estabilidade da Vida Gênesis 1:11,21,25
Unicidade do Homem Gênesis 1:26
Natureza Química da Carne Gênesis 1:11,242:7; 3:19
Homens da Caverna Jó 12:23-25; 30:3-8
Equivalência Massa-Energia Colossenses 1:17; Hebreus 1:3
Fonte de Energia para a Terra Salmo 19:6
Desintegração (Fissão) Atômica 2Pedro 3:10
Transmissão Eletrônica de Informação Jó 38:35
Televisão Apocalipse 11:9-11
Transporte Rápido Daniel 12:4

Vencer é nunca desistir...



“Mesmo desacreditado e ignorado por todos,
não posso desistir,
pois para mim,
vencer é nunca desistir”

Albert Einstein

O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objetivo. Mesmo não atingindo o alvo, quem busca e vence obstáculos, no mínimo fará coisas admiráveis, dará sentido à sua própria existência. Quem persiste nos seus sonhos, buscas e objetivos acaba conquistando coisas importantes que vão fazendo dele (a) alguém que cresceu e evoluiu na escola da vida.

Seguir em frente é sempre um desafio. Conquistar etapas e celebrá-las faz parte do processo de chegar ao objetivo proposto. O mais importante, porém, não é chegar: é caminhar, insistir, lutar e nunca desanimar. Faça, pois, da alegria e da felicidade suas companheiras de jornada. Aproveite e vivencie a intensidade de cada momento, de cada vitória, de cada tempo que o Senhor Deus te concede!

DEUS É JUSTO.

I Pedro 4
17
Porque a
ocasião de começar o juízo pela casa de Deus é chegada; ora, se primeiro
vem por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de
Deus?

18 E, se é com dificuldade que o justo é salvo, onde vai comparecer o ímpio, sim, o pecador?


HÁ CAMINHO QUE AO HOMEM PARECE DIREITO..

Sim, há caminho que ao homem parece direito, mas o seu fim são os caminhos da morte... (Provérbios 14:12).
É o que o homem pensa do caminho para o céu!

O caminho de uma boa religião,
parece bom, satisfatório para a nossa mente, mas é errado, enganoso,
pois não há religião que nos leve ao céu.

O caminho das boas obras parece
justo, razoável, gratificante, satisfatório, mas não serve , porque não
há obras suficientemente boas que nos abram a porta do céu.

O caminho da cultura e educação, é coisa linda, mas insignificante aos olhos de Deus.

O caminho da mortificação da
carne, auto-sofrimento, flagelação, nada, mas mesmo nada disso satisfaz
Deus, nem é o caminho para o céu.

Esses são caminhos que aos homens parecem direitos, mas só têm morte, afastamento de Deus, e sofrimento.

A Loja de Deus


Entrei numa loja e ví um anjo no balcão.
-Santo anjo do Senhor, o que vendes?
Respondeu-me:
-Todos os dons de Deus.
-Custa muito caro?
-Não, tudo é de graça.
Contemplei a loja e vi vasos de vidro de fé, pacotes de esperança, caixinhas de felicidade e sabedoria.
Tomei coragem e pedi:
-Por favor, quero muito amor de Deus,
todo o perdão dEle, vidros de fé, bastante alegria e felicidade eterna para mim e para minha família.
Então, o anjo do senhor preparou um pequeno embrulho que cabia na minha mão.
-É possível, tudo aqui?
O anjo respondeu sorrindo:
-Meu querido irmão, na loja de Deus não vendemos frutos, apenas sementes.
Plante a sua e seja feliz.

ORE COMIGO.

Deus meu...

Deus...
Dai-me o poder de não desanimar
De poder olhar para o futuro com alegria
De esperar todos os dias algo de bom...
Deus...
Não me deixe desistir
Levante-me os olhos para a vida,
e que ela possa me parecer linda sempre.
Deus...
Não permita que eu saia do meu caminho,
mesmo ele estando em dificuldades,
mesmo que pareça impossível chegar ao fim.
Meu querido Deus...
Não deixe que eu me esvazie,
que me sinta triste e sem coragem.
Não deixe que eu pare diante de situações difíceis...
Que eu me distancie dos meus sonhos!
Deus...
Só o Senhor tem o poder de me iluminar,
então, faça da minha vida uma claridade plena,
faça que meu coração sinta a luz do amor,
e que eu possa dar amor ao meu irmão
sem medir esforços
Deus meu...
Eis um filho seu implorando ajuda,
pois sem a sua mão estendida, nada neste mundo pode ser perfeito.
Por isso, venho aos seus pés e peço:
- Me dê a chance de acertar,
de lhe dar orgulho em ser do seu reino,
de saber o seu valor.
Deus...
Lhe peço ainda:
- Não me deixe parar nunca, e
que minhas esperanças se renovem

Veja o que faz o Evangelho da Prosperidade na África...lamentável!

É triste ver o que essa desgraça da teologia da prosperidade faz com as pessoas, ou melhor, com as vítimas, na maioria debilitadas emocionalmente, carentes materialmente e totalmente ingênuas no que diz respeito a confiança em certos pregadores que lhes tiram até o pouco que possuem.

O pior é que isso que está acontecendo na África é um fenômeno que acontece no mundo inteiro, a saber com início nos EUA se expandindo como uma epidemia.

No Brasil essa teologia mesquinha tem fincado raízes sólidas, basta dar uma olhada nos programas evangélicos de televisão pregando prosperidade, riquezas, bençãos, curas, milagres e vitórias.

O povo acaba indo atrás de bençãos ao invés da palavra de Deus.

Assista o vídeo com a matéria produzida pela Christianity Today sobre os horrores do evangelho da prosperidade na África e compare com o que você tem visto por aí.

E mais: a partir de hoje não esqueça de colocar mais um ítem na sua lista de oração!

O evangelho da prosperidade .



Jesus Expulsa os vendilhões do templo


Marcos 11:15 E foram para Jerusalém. Entrando ele no templo, passou a expulsar os que ali vendiam e compravam; derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas.

Marcos 11:16 Não permitia que alguém conduzisse qualquer utensílio pelo templo;Marcos 11:17 também os ensinava e dizia: Não está escrito: A minha casa será chamada casa de oração para todas as nações? Vós, porém, a tendes transformado em covil de salteadores.E hoje os ladrões voltaram para dentro de novo !! mais o SR.JESUS os julgará!!


14 razões porque o apóstolo Paulo morreu na miséria

À luz dos ensinamentos dos teólogos da prosperidade que afirmam que o servo de Deus tem que ser rico, descobri os verdadeiros motivos que levaram o Apóstolo Paulo a morrer na mais profunda miséria.

Infelizmente, o Apóstolo de Cristo aos gentios, não "entendeu" as revelações bíblicas cometendo erros gravissimos como:

1º- Não decretar a bênção da vitória na sua vida.
2º- Não amarrar o principado da miséria.
3º- Não quebrar as maldições hereditárias provenientes de seus antepassados.
4º- Não entender a visão da multiplicação do movimento G12.
5º- Não receber a revelação do DNA da honra de Deus.
6º- Não possuir as unções do cachorro, leão, águia, macaco, lagartixa, vômito e etc.
7º- Não tomar posse da bênção.
8º- Não semear as sementes da prosperidade.
9º- Não ter sido promovido a "paipostólo"
10º- Não ter trocado de anjo da guarda.
11º- Não ter elaborado nenhum mapeamento de batalha espiritual.
12º- Não ter recebido revelações do inferno.
13º- Não ter emitido nenhum ato profético.
14º- Não ter desenvolvido o hábito de orar em montes.

Caro leitor, segundo a ótica dos teólogos da prosperidade Paulo foi um fracassado, um pastor incompetente que não soube desfrutar das bênçãos de Deus.

Triste isso não?

Isto posto, resta-nos rogar a Deus pedindo misericórdia, como também que livre a sua igreja desta doutrina nojenta e anticristã.


Pense nisso!



Fonte: Pr Renato Vargens em seu blog

Fé neurótica e Fé do Evangelho

Qualquer pessoa que conheça um pouco de história sabe que o depois do século XVIII o mundo nunca mais foi o mesmo. Qualquer um que conhece a história do pensamento, também sabe que depois de Freud, não se pode mais pensar o homem da mesma maneira que antes. A psicanálise como bem disse o próprio Freud, acarretou a terceira e talvez mais grave ferida ao narcisismo humano. As outras duas são as descobertas de Copérnico e de Darwin.

No coração do homem, em seu desejo – a psicanálise o revelou – existe uma carência, um vazio, que nada nem ninguém podem preencher; carência que se constitui no motor de nossos afazeres, buscas e inquietações, constitui também a origem de uma inevitável alienação, que, em meio a uma multidão de fantasias, encontra-se sempre disposto a renascer.

Mesmo que se possa falar que Freud já passou, a verdade é que suas falas a respeito do inconsciente e da vida humana determinada por ele continuam atuantes.

Entre todas as esferas a religião foi uma das que se viram mais afetadas pelo pensamento freudiano. Para Freud, os cerimoniais da neurose revelam-se em surpreendente analogia com as práticas religiosas. Ambos se encontram motivados por intenso sentimento de culpa, originários, por sua vez, de desejos recalcados no inconsciente, dos quais um e outro – o neurótico e o homem religioso – se defendem mediante cerimônias. Desta forma, ele, considerou a neurose obsessiva como uma religião individual e a religião como uma neurose obsessiva universal.

A partir disto Freud explicou a religião em termos psicanalíticos, e também buscou fontes históricas para suas novas afirmações como a idéia de Deus como um pai exaltado, com o qual os homens se relacionam num misto de amor e ódio. Freud imaginou um drama primordial no qual um pai ciumento e onipotente é assassinado e devorado pelos filhos – única forma que estes encontram para ter acesso às mulheres, que o pai ciumentamente reservava para si. Esse assassinato primordial, espécie de pecado original e originante, seria a base das grandes instituições sociais: moral, direito e religião. No espaço deixado pelo pai a religião encontrou sua semente originária. O pai evolui com o passar do tempo de animal totêmico do clã até idéias de Deus como a judaico-cristã.

Em o “futuro de uma ilusão” de 1927, Freud afirma que a superação da religião é um passo inevitável no processo de amadurecimento geral da civilização. A humanidade deveria abandonar o Deus ilusório que é marcado por traços do pai atribuídos na infância, como pai criador, bom, justo, poderoso e sábio.

O que precisamos saber é que opiniões sobre religião e Deus não são a mesma coisa. E que cada opinião terá haver muito mais com a vida pessoal do que com descobertas científicas. Esse com certeza foi o caso de Freud. As bases que Freud utiliza no “Totem e Tabu” para explicar a origem da religião são hoje insustentáveis. Parece-nos mais claro que a os fatos da vida de Freud, como a morte de seu irmão Júlio aos dezoito meses de idade, a dedicação religiosa escassa, os incidentes com a babá católica ladra, a filiação ao judaísmo, algumas identificações ambivalentes com personagens como Moisés estão na gênese do seu ateísmo. Fora o ambiente em que Freud viveu, cercado por uma igreja preconceituosa, e por um pensamento positivista.

Retirando, no entanto, tais questões, a psicanálise trouxe uma grande ajuda para o entendimento de questões teológicas, como a imagem de Deus, a relação do homem com Ele, a culpa, pecado, salvação, vida após a morte, além das contribuições nas relações pastorais.

Freud tinha razão ao classificar como neuróticas muitas condutas religiosas, mas evidentemente que essas condutas não correspondem a uma autêntica experiência e prática de fé. Podemos considerar como neurótica toda experiência religiosa que não nasce do Evangelho, e tentarmos fazer uma distinção entre a fé neurótica e a fé no/do Evangelho.

A fé neurótica fala a um deus que na verdade é um prolongamento narcísico do próprio eu, numa tentativa de buscar a recuperação da síndrome da onipotência perdida na infância. Muitas vezes por trás desse pai exaltado, se encontra um algoz, que fica protegido, mesmo que o peso carregado seja gigantesco. A oração feita a este deus é extramemente neurotizada. Confunde-se Deus com a necessidade, tal qual a criança confunde a mãe com o peito que a amamenta. Já no caminho da oração autêntica, o Deus a quem se dirige não se deixa encerrar em nenhum tempo, em nenhum templo e em nenhum tipo de saber. Não se deixa possuir e nem manipular por capricho algum. Esse Deus não se manifesta de maneira mágica, daí a oração não brotar da necessidade, mas do desejo do ser, que não pretende obrigar a sua liberdade, mas que nos conduz ao Evangelho.

A fé neurótica costuma confundir Deus com sua representação paterno-materna. A projeção da onipotência, onisciência, onibenevolência paterna são transferidas para Deus. O deus do neurótico lhe responde todas as perguntas, lhe protege de todos os males e pode lhe fazer todas as coisas, claro no campo da ilusão. Deus é aliado dos seus próprios desejos.

A fé do Evangelho cre no Deus apresentado por Jesus, que não é o da providência-mágica, que está ali para nos fazer viver uma vida sem dores. O Deus revelado por e em Jesus nos remete de volta a realidade com toda a dureza que esta pode nos apresentar em muitos momentos de nossa existência, e em vez de solucionar o problema nos capacita a viver com e através deles. Ele não é o deus-explica-tudo, a paz que Dele procede não tem haver com um saber. Não é o deus das proibições, ameaças, castigos e vigilância de nossos atos e intenções. O Deus de Jesus reduz todo tipo de ambivalência nos conduzindo a uma reintegração, a um processo de individuação. O poder do Deus de Jesus está na entrega, na fragilidade do amor, não satisfaz a quem pede sinais – poder, ou saber. O Deus de Jesus é Amor, amor que não anula as diferenças e nem nos retira do encontro com o conflito.

A fé neurótica é cheia de culpa. A fé do Evangelho celebra o encontro. A primeira busca salvar-se, a segunda sabe-se salva. A primeira na busca de salvar-se vive um ciclo de culpa-absolvição, a segunda vive a realidade do perdão. A culpa do neurótico encerra o sujeito em si mesmo, o individuo vive para a sua culpa e em função dela. Por isso sua busca é pela salvação de tal mal. Até sua busca não lhe empurra para frente, pois não há um “para que”, mas apenas um “de”, que só o remete ao seu passado, ou a sua culpa. Isso é somado a atitudes constantes de asceticismos na tentativa de se sentir perfeito.

A fé do Evangelho liberta o homem de si mesmo e de sua busca de tentar salvar-se. O pecado torna-se assim, no Evangelho, algo passado, um assunto de certo modo liquidado. Libertos da culpa se vivem a realidade do Reino pregado por Jesus.



Aos Fofoqueiros de Plantão na Igreja

Quando for passar uma história adiante
primeiro passe-a por três peneiras:

Primeira peneira: a Verdade.

Pergunte-se se o que você quer contar é verdadeiro.
Se não o for, deixe-o morrer.
Se for, passe-o pela

segunda peneira: a Bondade.

É coisa boa?
Ajuda a construir o caminho e a fama do próximo?
Se o que você quer contar é verdade e é coisa boa,
passe-o pela

terceira peneira: a Necessidade.

Convém contar?
Resolve alguma coisa?
Ajuda a comunidade?
Pode melhorar o planeta?
Se passar pela três peneiras, conte!
Tanto eu como você e seu irmão nos beneficiaremos.
Caso contrário esqueça e enterre tudo.

Será uma fofoca a menos a envenenar o ambiente e levar a discórdia entre
irmãos e colegas. Devemos sempre ser a estação terminal de qualquer
comentário infeliz, sepultando-o.

Não esqueça:

Pessoas medíocres,
falam sobre pessoas.

Pessoas comuns,
falam sobre coisas.

Pessoas inteligentes,
falam sobre idéias.

Pessoas inteligentes
falam sobre idéias.

Da próxima vez antes de obedecer ao impulso de passar uma história adiante
reflita um pouco mais...

Autor: Desconhecido